SAÚDE SOCIAL

Programas de Gestão da Saúde

Um dos principais focos é a mudança do atual modelo de gestão

Iniciada em 2018, a mudança do modelo de gestão assistencial atual para Atenção Integral à Saúde é o principal foco da cooperativa.

Seguindo as tendências mundiais, e avançando cada vez mais em novas tecnologias da saúde no Brasil, tem a premissa do cuidado integral, por meio de uma equipe que tem por referência o médico da família - profissional com foco em atenção básica e ampla capacitação em diversas áreas da medicina.

A Atenção Integral à Saúde oferece um cuidado personalizado, pautado em confiança, prevenção e acessibilidade. O cliente está no centro do cuidado, guiado pelo médico que lidera a equipe, com o qual estabelece relacionamento de longo prazo. A maioria das intercorrências é solucionada por este time. Quando necessário, o paciente é encaminhado para consultas e exames.

Nesse contexto, 2018 foi marcado pela efetiva implantação da Atenção Integral à Saúde com a inauguração de três clínicas especializadas em:

  • São Bernardo do Campo (São Paulo);
  • Santo André (São Paulo);
  • Salvador (Bahia).
  2018 2017
Pacientes acompanhados 16.222 8.819

 

Os profissionais que compõem o time de cuidado, em todas as clínicas, são: médico de família, enfermeiro, psicólogo, fisioterapeuta e nutricionista. O time é responsável pela organização e coordenação do cuidado ao longo de todo percurso assistencial. O modelo assistencial é alicerçado em quatro pilares fundamentais:

  • acessibilidade;
  • longitudinalidade;
  • integralidade;
  • coordenação do cuidado.

Também foi consolidada a metodologia que possibilita a identificação dos beneficiários com potencial de elegibilidade para o Programa Gestão da Saúde, que monitora beneficiários identificados, por meio de análises preditivas, como médio e alto risco nas seguintes linhas de cuidado:

  • doenças cardio e cerebrovasculares;
  • diabetes;
  • obesidade;
  • doenças respiratórias crônicas (asma e doença pulmonar obstrutiva crônica);
  • patologia de coluna;
  • diabetes mellitus;
  • gestantes de alto risco;
  • oncologia (mama, colo do útero, próstata, colorretal e pulmão).

Por meio de análises preditivas e o uso da estatística para encontrar padrões que auxiliem nas tomadas de decisões, o primeiro modelo implantado foi focado em identificar os indivíduos com risco de apresentar o primeiro evento cardiovascular.

SAÚDE SOCIAL

Programas de Gestão da Saúde

Um dos principais focos é a mudança do atual modelo de gestão

Iniciada em 2018, a mudança do modelo de gestão assistencial atual para Atenção Integral à Saúde é o principal foco da cooperativa.

Seguindo as tendências mundiais, e avançando cada vez mais em novas tecnologias da saúde no Brasil, tem a premissa do cuidado integral, por meio de uma equipe que tem por referência o médico da família - profissional com foco em atenção básica e ampla capacitação em diversas áreas da medicina.

A Atenção Integral à Saúde oferece um cuidado personalizado, pautado em confiança, prevenção e acessibilidade. O cliente está no centro do cuidado, guiado pelo médico que lidera a equipe, com o qual estabelece relacionamento de longo prazo. A maioria das intercorrências é solucionada por este time. Quando necessário, o paciente é encaminhado para consultas e exames.

Nesse contexto, 2018 foi marcado pela efetiva implantação da Atenção Integral à Saúde com a inauguração de três clínicas especializadas em:

  • São Bernardo do Campo (São Paulo);
  • Santo André (São Paulo);
  • Salvador (Bahia).
  2018 2017
Pacientes acompanhados 16.222 8.819

 

Os profissionais que compõem o time de cuidado, em todas as clínicas, são: médico de família, enfermeiro, psicólogo, fisioterapeuta e nutricionista. O time é responsável pela organização e coordenação do cuidado ao longo de todo percurso assistencial. O modelo assistencial é alicerçado em quatro pilares fundamentais:

  • acessibilidade;
  • longitudinalidade;
  • integralidade;
  • coordenação do cuidado.

Também foi consolidada a metodologia que possibilita a identificação dos beneficiários com potencial de elegibilidade para o Programa Gestão da Saúde, que monitora beneficiários identificados, por meio de análises preditivas, como médio e alto risco nas seguintes linhas de cuidado:

  • doenças cardio e cerebrovasculares;
  • diabetes;
  • obesidade;
  • doenças respiratórias crônicas (asma e doença pulmonar obstrutiva crônica);
  • patologia de coluna;
  • diabetes mellitus;
  • gestantes de alto risco;
  • oncologia (mama, colo do útero, próstata, colorretal e pulmão).

Por meio de análises preditivas e o uso da estatística para encontrar padrões que auxiliem nas tomadas de decisões, o primeiro modelo implantado foi focado em identificar os indivíduos com risco de apresentar o primeiro evento cardiovascular.